Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

I Like 2 Eat

I Like 2 Eat

25
Nov21

Tarte de Abóbora e Batata Doce - Thanksgiving/Halloween

CS

260515815_1542190922780759_260682505865604210_n.jp

O Halloween não é uma tradição nossa, todos os anos ouvimos alguém dizer isso.

Talvez não seja mas não difere assim tanto do que se fazia na minha infância.

No dia 1 de Novembro, íamos de porta em porta, pedir o Pão por Deus e faziamo-lo mascarados, de velhos, de bruxas, dos seres assustadores que povoavam o nosso imaginário.

Os vizinhos ofereciam-nos broas doces, frutos secos ou até dinheiro, mas o que queríamos mesmo era doces, muitos, peganhentos e cheios de açúcar. Que comíamos até ficar com dores de barriga e as mãos lambuzadas.

 

Isto não é assim tão diferente do Halloween, no fundo só a passámos para o dia seguinte.

Por isso eu festejo os dois dias, o Halloween como uma festa, animada, cheia de decorações assustadoramente divertidas, o Dia de Todos os Santos como um dia de família.

Este ano inspirei-me nas tartes de abóbora que os americanos comem no Thanksgiving, o Dia de Ação de Graças. Que, analisando bem, não é muito diferente do que é o nosso Dia de Todos os Santos.

É um feriado de origem religiosa, em que a família se reúne, para agradecer e celebrar as coisas boas que nos aconteceram durante o ano e homenagear os que já não estão connosco. Eles comem peru, nós comemos frutos secos e broas doces! O que, realmente, importa é reunir a família. 

O blog Handle the Heat tem um desafio mensal, o de Outubro era cozinhar uma tarte, tendo por base esta receita que disponibilizou, como sendo a melhor massa de tarte.

E eu adoro um bom desafio culinário!

Eu fiz a dose a dobrar porque achei que sendo a primeira vez que experimentava esta massa e eu mudei um ingrediente, tudo podia correr mal (na tarte de maçã foi quase assim mas por que quis "poupar tempo").

Com 3 anos o Mini Eater já quer comer tudo o que os pais comem, mesmo que depois dê uma garfada e diga que não gosta (acontece com a maioria dos doces), por isso quis fazer uma sobremesa que se ele quisesse podia comer, com moderação, porque seria do bem, ou seja, sem uma grama de açúcar refinado!

O recheio é do blog The Vintage Mixer e é muito bom!

Ingredientes Massa

190 g de farinha T55 sem fermento

140 g de manteiga, cortada em pedaços pequenos, congelada.

1 colher de café de sal

1 colher de xarope de arroz (saído do frigorífico)

3 a 5 colheres de sopa de água gelada (coloque um copo no congelador durante pelo menos 5 minutos)

Ingredientes Recheio

3/4 chávena de puré de abóbora (ver notas)

3/4 chávena de puré de batata doce laranja (ver notas)

3 colheres de sopa de pasta de tâmaras (ver aqui)

1 vagem de baunilha

1 colher de chá de canela

1/2 colher de chá de erva doce

1/2 colher de café de noz moscada

1 colher de café de gengibre em pó

1 pitada de sal

3 ovos

1 chávena de leite de amêndoa (pode usar leite ou natas)

Ingredientes Decoração

1 chávena de nata para bater

1 colher de café de extracto de baunilha

2 colheres de sopa de xarope de arroz

Chocolate preto e branco, opcional

Preparação Massa

Comece por pesar e cortar a manteiga em cubos pequenos e leve-os ao congelador por 15 minutos. Findo esse tempo, coloque a manteiga no copo e triture 2 segundos na velocidade turbo.

Retire do copo e volte a colocar no congelador. 

No copo, coloque a farinha, o sal e o xarope de arroz, triture na velocidade 3 até o xarope estar incorporado na farinha.

Adicione a manteiga e misture 15 seg/Vel 3.

Adicione a água gelada (comece com 3 colheres e aumente se necessário) misture mais 15 seg/Vel 3.

Deverá obter uma massa esfarelada.

259420320_185583580444679_930135180193401666_n.jpg

Na bancada, estenda uma tira de película aderente, coloque a massa por cima e agregue com as mãos, sem amassar.

Espalme a massa e leve ao frio para repousar, durante pelo menos 6 horas, idealmente durante a noite. (ver notas)

Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Após a massa ter repousado, estender a massa com a ajuda de um rolo (usei o tapete de silicone por baixo e uma folha de papel vegetal por cima, que foi o que usei para ir ao forno, mas pode usar duas tiras de película aderente).

Cobrir a forma onde quer cozinhar a tarte (tradicionalmente, a tarte não é desenformada), cubra com papel vegetal e encha com feijão, arroz ou pérolas de cerâmica. Leve ao forno, até a massa começar a ficar dourada mas sem cozinhar por completo.

Enquanto isso prepare o recheio.

Preparação do Recheio

No copo da Bimby, colocar todos os ingredientes excepto a baunilha, os ovos e o leite de amêndoa (natas ou leite), triture 1 min/Vel 3-5-7.

Raspe as sementes da vagem de baunilha, adicione ao puré e programe mais 1 min/Vel 3, adicionando os ovos no copo, um a um, com a máquina em funcionamento.

Adicione o leite de amêndoa e misture mais 15 seg/Vel 3.

260107735_1045565676278263_4854892121259712670_n.j

Retire a massa do forno, assim que estiver a ficar com uma cor dourada, cautelosamente, retire o enchimento e o papel vegetal. Cubra a massa com o recheio preparado e leve ao forno entre 45 a 60 minutos.

O creme deve estar firme nas laterais e ainda estar a "abanar" no centro, garantindo que tem uma tarte húmida e cremosa mas que não se vai desfazer à primeira fatia.

259283737_429723828692038_6002162371577740437_n.jp

Deixe arrefecer por completo.

Decoração

Derreta o chocolate e desenhe pequenas decorações, em cima de papel vegetal (deverá fazê-las pelo menos duas horas antes de usar, para estarem bem secas).

Bata as natas com o xarope de arroz e a baunilha, até estarem firmes mas sem estarem demasiado duras, queremos que fiquem cremosas.

Após a tarte estar, completamente, fria, com a ajuda de um saco de pasteleiro, faça as decorações que entender (a imaginação é o limite).

Depois, é so deliciar-se com esta tarte deliciosa, pouco pecaminosa, cheia de especiarias quentinhas e com sabor a filmes e séries americanas, em que há sempre mesas cobertas de comida e maravilhosas tartes de abóbora e de maçã.

Também fiz uma Tarte de Maçã, também estilo americano, usando a mesma massa e esta receita que já aqui partilhei. 

Ao contrário da anterior, esta tem algum açúcar, de forma a que se forma um caramelo quando vai ao forno e o açúcar se funde com as maçãs.

Notas:

A batata doce foi cortada aos cubos e cozida em pouca água. Assim que acabou de cozinhar, escorri de imediato a água (que usei para fazer sopa), desta forma a batata doce são fica ensopada em água, perdendo o seu sabor.

A abóbora foi cortada em pedaços, disposta num tabuleiro forrado com papel vegetal. A meio do tempo virei a abóbora para conseguir que ela caramelizasse nos próprios açúcares, sem queimar.

Os puristas vão dizer que a tarte não devia ficar tostadinha, que assim ganhou rachas, mas eu prefiro assim. Se a quiser mais certinha, cubra com papel alumínio por volta dos 30 minutos, no forno. Como a vamos cobrir com natas, não se vê e o sabor fica muito mais interessante.

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes Sociais

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub